Há muito tempo eu fiz um post sobre a imigração britânica e desde então eu me tornei uma pessoa que presta atenção em cada detalhe antes de entrar num novo país onde eu corra o risco de ser barrada. Vejo muita gente generalizando as próprias experiências e queria contar um pouco sobre as minhas – que são completamente opostas a muitas coisas que li antes de viajar pela primeira vez.

Controle de passaporte: come funziona

Você tendo seu passaporte brasileirinho ou uma cidadania europeia vai passar por controle de passaporte quando chegar num país novo. Pra quem tem o passaporte vinho fofinho costuma ser rápido e sem muita burocracia, não rola nem carimbo. Se você não tem um passaporte europeu vai ter uma ou duas filas específicas pra você ter seu passaporte carimbado (ou não né) e talvez uma checada básica nos seus documentos de praxe (passagens, reservas de hotel etc).

Onde eu vou fazer esse controle?

Na Europa, o controle funciona assim: se você está visitando a Schengen area, vai fazer o controle só quando entra no primeiro país dela. Por exemplo, Itália e Espanha fazem parte, então se você está viajando primeiro pra Roma e depois pra Barcelona, vai fazer só em Roma. Se você está em Roma e vai pra Bucareste, que apesar de ser UE não é Schengen, vai fazer nos dois (consequentemente, dois carimbinhos pra sua coleção). A polícia pode sim pedir para ver seus documentos entre países da Schengen, mas não é obrigatório. Para saber quais países fazem parte desta área, é só clicar aqui.

O que devo apresentar no guichê de imigração?

Olha, migo, é a mesma coisa que você me perguntar o que eu vou estar fazendo dia 5 de março de 2034. Não dá pra saber. Eles podem só falar Hola como pedir pra um oficial buscar sua mala despachada pra eles checarem até sua roupa suja (Inglaterra me traumatizou mesmo, desculpa). Já vivi diversas situações: não me pedirem nada, só fazerem 2 ou 3 perguntas, me pedirem reserva de hotel, passagem de volta e até um cara em Lisboa que insistiu que eu precisava de visto pra trabalhar em navio na Europa sendo que nós brasileiros não precisamos. Já encrencaram comigo até no próprio aeroporto de Guarulhos, pedindo meu contrato de trabalho da última vez que embarquei e analisando todas as cláusulas. É legal ter sempre com você a passagem de volta ou do próximo destino, reservas do hotel ou uma carta se você for ficar com algum parente ou amigo, seguro de vida ou, se você não tiver nada disso, ser bem convincente no que diz, hehe. Nunca vi ninguém apresentando extrato bancário como já li em muitos sites, o único lugar onde me perguntaram de grana foi na Inglaterra (contaram quanto eu tinha em cash e anotaram quantos cartões eu tinha).

O que eles vão me perguntar no controle de passaporte?

Como eu disse, eles podem fazer mil ou zero perguntas. Até hoje, o lugar onde me dei melhor foi na Itália. Já voei muitas vezes pra lá e de lá e nunca me perguntaram nada. Sempre passei rápido pelo da Romênia também, mas da última vez me pediram reserva de hotel, me perguntaram o que eu ia fazer e pra onde eu ia depois. As mais comuns são “quanto tempo você vai ficar?”, “por que você está aqui?”, “pra onde você vai depois?” e qualquer coisa nessa direção. Se você não fala inglês ou a língua local e encrencarem muito com você, eles precisam fornecer um tradutor da sua língua nativa para a deles.

Fui barrado, e agora?

Agora seu passaporte tem um carimbo feião e os próximos países podem até olhar feio pra ele, mas é importante saber o motivo pra saber se é algo que você pode tomar mais cuidado da próxima vez. É muito difícil isso acontecer, juro. Existem épocas do ano em que eles são mais rigorosos, como agora nos feriados de fim de ano, mas num geral ouvi poucas histórias de gente que foi mandado de volta pra casa. Se te barram e você precisa esperar muitas horas até o próximo vôo (pago por eles) de volta, você costuma ter direito a ligações, lanches, água a vontade, mas não pode pegar sua mala ou passaporte até estar fora do país, por exemplo. Meio terrorista, mas beleza, a maioria dos viajantes não passa por isso nenhuma vez na vida.

Confesso que a hora de carimbar o passaporte é a mais esperada e ao mesmo tempo temida por mim, principalmente porque pelos últimos dois anos viajei aleatoriamente por muito tempo e quase sempre sem uma passagem para o próximo destino, então vivo esperando que não me peçam documento nenhum e só me deixem ser feliz. Alô, puliça, não tô fazendo mal pra ninguém e prometo que a hora que meu dinheiro acabar volto pro Brasil, ficar ilegal não é comigo não 😛

Quais foram as experiências de vocês até hoje nos aeroportos do mundo? E quem quer contar um pouco sobre os EUA? 🙂 Escreve pra mim lá no blogcallmemaya@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *