A primeira entrevista dessa série que quero fazer com muitos viajantes inspiradores foi com o Damon e a Jo, do Shut Up and Go (você pode ler clicando aqui) e agora é a vez de uma das minhas blogueiras/youtubers brasileiras favoritas: Michelle Alves, do Cabide Colorido.

Quando eu tinha uns 13 anos e já sabia que loguinho queria ver o mundo, uma das minhas primeiras ideias foi ser au pair. Por mais de um ano, Michelle viveu exatamente esse meu sonho lá no Colorado. Au Pair é praticamente uma babá de outro país. É um dos programas de intercâmbio mais em conta para meninas de 18 até 26 anos e existe em vários países, sendo os Estados Unidos o mais comum entre as brasileiras.

No canal do Cabide Colorido, Michelle compartilhou cada momento dessa experiência, além de todas as outras coisas com as quais ela se identifica. Durante o programa de Au Pair, ela fez várias viagens para diversos estados americanos e até uma viagem pra fora do país, direto pra Europa. Tudo tá bem documentado lá no Youtube e ela definitivamente serve de inspiração pra muita gente por aí. Hoje, ela está de volta ao Brasil para terminar a faculdade de Marketing e trabalha com mídias sociais, além de manter seu blog.

A Mi foi super legal e bateu um papo comigo sobre a experiência do intercâmbio. Mais uma vez, eu quis perguntar coisas que ainda não haviam sido respondidas no canal dela, então pra todo tipo de informação geral sobre o programa, dia a dia e gostos pessoais dela, é só clicar aqui e fazer uma maratona de vídeos do Cabide Colorido. A entrevista você confere abaixo:

Quando e como foi o momento em que você decidiu que queria fazer intercâmbio especificamente como au pair? Você considerou outros programas e países antes?
Eu só sabia que queria sair do país e me aventurar, aí minha amiga me falou do au pair, eu fechei e escolhi os EUA por “conhecer” um pouco mais do que os outros países que eram oferecidos. E é baratoooo né, melhor custo + beneficio de todos!

Você acha que a experiência como au pair em si, muito além de ter vivido em outro país, pode te ajudar aqui no Brasil? O que você aprendeu como au pair que pode aplicar na profissão que quer seguir?
Bom, no au pair eu levava uma vida de irmã mais velha né, aprendi muito a ter paciencia, lidar com crianças, melhorar o inglês e acima de tudo, conviver com uma cultura diferente da minha! Que na minha opinião, foi o maior desafio do intercâmbio.

Eu trabalhei em cruzeiros e vi muita gente indo trabalhar pensando que ia fazer turismo pelos portos quando na verdade tinha períodos que ficávamos dias sem sair, só trabalhando, o que acaba fazendo com que algumas pessoas desistissem. O que você acha que a pessoa precisa ter em mente antes de embarcar num intercâmbio de trabalho e quais são as coisas que as pessoas mais deduzem sobre au pair que não é verdade?
No au pair acontece o mesmo, as meninas acham que é férias, Disney, Califórnia e esquecem das 455 fraldas que terão que trocar, os 600 choros que vão ter que escutar etc. Au pair life não é glamourosa, você só conseguirá viajar e fazer tudo que quer se você administrar seu tempo e dinheiro! Familias legais existem sim, mas vai depender muito de você também, ser compreensível e respeitar o proximo em primeiro lugar.

Quais itens estavam na sua mala quando você foi para os EUA e voltaram com você para o Brasil?
Algumas makes nacionais que eu curto (tipo sombra da Vult), calça jeans porque eu tenho muito quadril e lá não achava nenhuma e leite de rosas! hahahaha

Como você estudava e praticava inglês antes de ir? Quais suas dicas de estudo de idiomas para quem ainda não pode bancar um intercâmbio e praticar fora?
Eu estudava em casa com filmes, séries e músicas. Prestava atenção na letra, lia as coisas em inglês, anotava palavras novas… isso ajuda mais do que a gente pensa! Apps como o Duolingo são ótimos também =)

Quais eram os pré-conceitos que você tinha sobre os americanos e o que se concretizou e quais foram quebrados?
Que todos eram gordos e Applemaníacos! hahaha Eles são bem legais, muita gente vive uma vida saudável e alguns são bem controlados quando o assunto é consumo. Eu não achei eles tão frios como as pessoas falam, por mais que eles não te abracem o tempo todo, eles fazem pequenas coisas no dia a dia (como trazer um Starbucks pra você do nada) que fazem a diferença.

Sei que muita gente sonha em fazer intercâmbio ou simplesmente viajar o mundo e a ideia de todas as entrevistas aqui do blog é lembrar que tudo é possível, de verdade. Se você estiver disposto a batalhar muito, tudo vai dar certo.

Vocês já conheciam a Michelle? Ela também é super ativa no Instagram e compartilha todas suas viagens por lá, é só seguir aqui.