Quais são os gastos para trabalhar em cruzeiros?

Sempre que alguém descobre que eu trabalhei por anos e anos como vendedora a bordo de um navio de passageiros, querem saber tudo sobre esse universo paralelo. Muitos acabam se interessando tanto que voltam pra perguntar como aplicar pra um emprego a bordo.

Se você sabe inglês e, de preferência, uma terceira língua, já tem meio caminho andado. O investimento financeiro não é muito, as entrevistas quase sempre são por Skype e você não precisa de nenhuma formação além do curso de segurança marítima, que dura 1 semana e pode ser feito só depois de já ter sido aprovado na entrevista.

Decidiu que quer mesmo embarcar? Lembre-se que os contratos são de, no mínimo, 6 meses e você trabalhará TO-DOS os dias (mesmo!), mais ou menos 12h por dia. Parece louco, mas eu juro que o tempo lá dentro passa diferente e você consegue encontrar forças pra curtir as festas de tripulante depois do trabalho e conhecer um porto novo de vez em quando.

Quanto custa ser tripulante?

Se o seu medo não é o trabalho pesado e sim o investimento para chegar lá, pode se acalmar, pois é relativamente barato.

  1. Passaporte – R$257,25 hoje, em maio de 2020.
  2. STCW (curso de segurança marítima oferecido em diversas cidades do Brasil) – Cerca de R$1200 em 2014, realizado com o Grupo NPO. Fora do Brasil, é mais caro.
  3. Exames médicos – Cerca de R$400 em 2016. A agência que te contratar indicará a melhor clínica para realizá-los. Fazer os exames independentemente não compensa financeiramente falando, pois é realmente uma bateria de exames. As companhias normalmente reembolsam o valor pago quando você embarca.
  4. Vistos – Algumas companhias ou itinerários exigem vistos específicos para tripulantes. Esse valor pode ser reembolsado a bordo por algumas companhias e normalmente é algo em torno de 160 dólares americanos.
  5. Passagem aérea – A maioria das companhias pagam a passagem do tripulante brasileiro, tanto de ida quanto de volta (desde que você termine seu contrato como previsto).
  6. Hotel, transporte até o navio – Normalmente, a empresa busca o tripulante e o leva até o hotel, tudo na faixa, já que costumam embarcar diversas pessoas no mesmo dia, mas tenha um dinheiro reservado para o táxi caso haja um desencontro e peça o recibo. O reembolso pode ser pedido uma vez a bordo.

Algumas agências brasileiras também cobram uma taxa de agenciamento disfarçada de curso EAD obrigatório, apesar de não ser o correto. Na época, paguei 500 reais. Não sei se essa prática continua existindo.

Pronto para trabalhar em cruzeiros?

Fala línguas, tem algum setor que te interessa, tá pronto pra trabalhar muito e mudar sua vida completamente? Esse é um trabalho que vai te fazer crescer muito e tem muitos pontos positivos.

Se quiser saber mais, assista abaixo ao vídeo que gravei em 2017 falando um pouco mais sobre os gastos de um tripulante de primeira viagem:

Siga e curta:

Deixe uma resposta